The Batman e o Ego: As inspirações para o maior detetive do mundo!

    The Batman já esta em cartaz com sucesso de crítica ao redor do mundo e, completando essa pequena trilogia da vingança, trago a terceira grande inspiração para a construção desta versão do Cavaleiro das Trevas, dirigido por Matt Reeves e interpretado por Robert Pattinson. Falo do título Batman: Ego, escrito e desenhado pelo renomado Darwyn Cooke, lançada no ano 2000.

    Esta HQ já foi tema de uma edição do nosso Clube de Leitura da Vovó Bondade – que pode ser assistido clicando aqui –  e como debatido pelos nossos redatores do clube, Batman: Ego é uma narrativa que foca nas questões emocionais de Bruce Wayne e a sua relação com a figura do seu alter ego Batman em sua cruzada contra o crime e o que lhe custou ao longo de sua carreira. No longa dirigido por Matt Reeves, a utilização deste conflito emocional para sustentar este Batman, enquanto ele lida com a sua sombra e mesmo sendo uma figura que simboliza o medo, também possui os seus próprios medos e fraquezas.

    Jung, na psicanalise, define a sombra como um caráter inconsciente ligado a um aspecto mais sombrio da personalidade, como os medos e as fraquezas. Para alcançar uma completude seria necessário confrontar a sua sombra, e vemos que este conceito é algo que esta entrelaçado como um dos diversos núcleos do filme.

    Bruce Wayne em toda a história dialóga com a sua sombra em diversos momentos, mostrando o seu medo de perder outra pessoa que ama e afastando a possibilidade de nutrir qualquer afeto por outro alguém, identificando-se como a própria vingança em uma cruzada para evitar que outras pessoas vivam esta constante sensação de tristeza que possui.

    Talvez a única diferença em relação a HQ seja que não existe um diálogo propriamente dito entre Bruce e a sua sombra como Batman, mas um dos elementos essenciais de Ego é muito bem utilizado tanto para acrescentar uma profundidade emocional para o personagem quanto para a própria narrativa do filme, sendo essa uma relação que acontece na cidade com a própria história de vida de Bruce.

    Assim como Ego utiliza a metáfora do Batman e Gotham serem um ser único, podemos comparar os eventos que deram origem a este Batman com a própria história da cidade e, como ao mesmo tempo que ele confronta elementos obscuros de sua origem e adentra no coração obscuro de Gotham com sua essência sombria encontrando uma forma de entender a si mesmo, como sua sociedade funciona e a forma de causar um efeito positivo nela.

    A conclusão que o Cavaleiro das Trevas chega em relação aos seus dilemas é a mesma que a HQ, mesmo que seguindo por caminhos diferentes dada a construção de ambas as histórias e, ao confrontar a sua sombra, Bruce consegue entender que o Batman pode ser um símbolo além do medo ou do seu próprio medo. Ele é um sinal de esperança dentro de uma cidade tão sombria como Gotham e entende que existe uma relação tão simbiótica entre o herói e a cidade que jurou proteger.

    Observação: 
    Além de Batman: Ego também realizamos matérias especiais sobre as histórias O Longo Dia das Bruxas e Batman: Ano Um.

    Ricardo dos Santos
    Ricardo dos Santoshttps://terraverso.com.br
    Fã de quadrinhos, séries, filmes e games. Apaixonado por DC de Grant Morrison a Alan Moore. Mais um privilegiado de estar na amada Terraverso.

    Deixe seu comentário

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Você pode gostar

    Siga-nos

    24,169FãsCurtir
    15,600SeguidoresSeguir
    19,534SeguidoresSeguir

    Últimas Postagens