Nos últimos dias, a internet foi a loucura com a notícia de que Michael Keaton, o Homem-Morcego do filme “Batman” de 1989, estaria em negociações para interpretar o mesmo personagem dos anos 80 no filme solo do Flash de Ezra Miller. Anterior a esse rumor, temos também as tratativas envolvendo Jeffrey Dean Morgan para viver o Thomas Wayne de Flashpoint no filme do velocista.

Realmente há muitas especulações nos bastidores da DC Filmes, e nós do Terraverso também não poderíamos deixar de especular possibilidades sobre o que o filme do Flash pode causar, não somente na linha do tempo atual do universo DC, mas também no futuro que envolve novas produções cinematográficas do estúdio.

Então, sim, nós temos uma teoria. Uma proposta de plot. Uma ideia. Um esboço ainda sem fundamento algum, proposto pelo nosso exercício imaginário, porém, ancorado na realidade dos fatos e possiblidades do que pode acontecer com o filme do Flash. Lembrando que na última teoria que publicamos, em março/2019 -leia aqui-, quando não havia nenhum rumor sobre como poderia ser a proposta de abordagem da DC nos cinemas, já havíamos levantado a hipótese de que o Multiverso seria uma realidade e que conectaria todas as produções da DC até então.

De fato, após o crossover das séries do Arrowverso, “Crise nas Infinitas Terras”, essa possibilidade deixou de ser uma mera especulação teórica nossa para se tornar realidade. Quando vi pela primeira vez a cena em que o Flash de Ezra Miller encontra o Flash de Grant Gustin, acreditei que aquilo fosse apenas um mero fanservice para agradar os fãs e dar o tômpero (como diria o chefe Érick Jacquin) final ao conceito de Multiverso apresentado no contexto das séries.

Entretanto, Michal Keaton, Jeffrey Dean Morgan e até mesmo o rumor recente, ainda não tão maduro, sobre o Lanterna Verde de Ryan Reynolds estar no filme solo do Flash, me fizeram mudar de opinião sobre a cena do Flash de Ezra Miller no universo das séries ser tratada somente como fanservice. Estava errado. A cena pode ter um fundamento. Não apenas a cena, mas algumas propostas relevantes que o crossover apresentou.

A primeira delas; o crossover não se privou de percorrer a história da DC em live-action. Mesmo em cenas que duram 3-5 segundos, ele visitou desde Adam West, Smallville e a fracassada série Birds of Prey até produções cinematográficas como o Superman de Brandon Routh e inclusive Batman de 1989. E aqui está o nosso primeiro ponto chave: A Terra-89, do Batman de Michael Keaton, foi destruída em “Crise nas Infinitas Terras”.

Na cena, o personagem Alexander Knox interpretado por Robert Wuhl, presenciou a destruição da Terra-89.

Se o Flash de Ezra Miller aparece no crossover, entende-se que a Terra do DCEU existe no Multiverso. Pela lógica, se a Terra-89 é destruída, como o Batman de Keaton sobreviveu? E é neste ponto que recorremos aos quadrinhos, porque a saga “Crise Infinita” reflete acontecimentos que ocorrem logo após “Crise nas Infinitas Terras”.

No arco “Crise Infinita”, Alexander Luthor Jr. da Terra 3, Superman da Terra 2, Superboy Primordial e Lois Lane da Terra 2, conseguiram sobreviver após o mega evento ‘Crise nas Infinitas Terras’ em uma brecha no espaço. Então…e se na explosão que destrói mundos no crossover das séries, outros personagens também conseguiram sobreviver? Outros heróis e vilões? (principalmente vilões…).

Há muitas coisas no DCEU que ainda precisam ser esclarecidas para o grande público. Uma delas é o momento em que o Flash aparece em “Batman vs Superman”, dizendo a Bruce Wayne que “Lois é a chave”. Claro que essa cena faz parte da proposta inicial do diretor Zack Snyder; adaptar a saga Injustice para as telas de cinema. Porém, de lá para cá muita coisa aconteceu e Zack Snyder agora está focado em finalizar sua versão de Liga da Justiça para lançar no streaming HBO Max no próximo ano.

A sobrevivência de personagens de Terras que foram destruídas, pode ser considerada para o filme solo do Flash e abre uma validação possível para que o Bat-Keaton esteja presente na produção. Não apenas ele, como qualquer outro personagem. Além disso, Flash é um viajante temporal com capacidade também de transportar pessoas através da Força de Aceleração. Ele poderia ter resgatado o Bat-Keaton antes da destruição. E aqui claro, abre-se possibilidades infinitas no campo da imaginação.

O diretor do filme solo do Flash, Andy Muschietti, quando questionado se o filme seria uma adaptação de Flashpoint, ele disse o seguinte: “Esse projeto será uma versão diferente de “Flashpoint”, que vocês estão esperando.”. E entendo perfeitamente sua declaração. No Flashpoint original, há um elemento crucial que acredito que não seja abordado na produção cinematográfica: A guerra entre Amazonas e Atlantes.

Não faz sentido algum a DC colocar a Mulher-Maravilha de Gal Gadot para travar uma guerra contra o Aquaman de Jason Momoa. Justamente dois heróis que tiveram um sucesso considerável em suas produções solo. A cena de Flashpoint em que Diana arranca a cabeça de Mera seria um grande problema. A Mulher-Maravilha dos cinemas possui um carisma, um apelo ao público jovem e principalmente com as crianças, sendo assim uma inspiração tão grande quanto o Superman. Essa guerra terá que ser abordada de uma outra forma, justificando a necessidade que a versão cinematográfica de Flashpoint seja diferente, conforme afirma o diretor.

A sobrevivência de vilões de outras Terras e mundos poderia perfeitamente levar essa ambientação de guerra necessária em Flashpoint, substituindo a proposta original dos quadrinhos e preservando personagens tão queridos como o Aquaman de Momoa e a Mulher-Maravilha de Gadot. Então, não será surpresa alguma se nos próximos dias, semanas ou meses, mais personagens ligados a outros momentos da história da DC sejam cotados para estarem nessa produção.

Essa ideia de “Flashpoint” com essência de “Crise Infinita”, valorizaria bastante o filme e o legado da DC, além de explicar de uma forma clara ao grande público o conceito de Multiverso, já difundido no Arrowverso, criando uma conexão interessante com tudo que foi apresentado nas séries e seguindo assim também para as telas de cinema.

O mais recente rumor envolve o nome de Michael Keaton. De acordo com o jornalista Griffin Schiller, do site The Playlist, a aparição de Michael Keaton no longa-metragem solo do Flash seria o primeiro passo para o lançamento de um filme sobre o BATMAN DO FUTURO, em 2023. O jornalista afirma que não sabe se o escolhido para “Batman do Futuro” seja Terry McGinnis ou a Batgirl.

Isso vai de encontro com o papel de Keaton no futuro do DCEU. Conforme os rumores preliminares, ele seria uma espécie de mentor para jovens heróis. Algo semelhante ao Nick Fury, de Samuel L. Jackson, e conforme o insider Daniel RPK ele apareceria em vários filmes. Batgirl seria um dos projetos possíveis em que ele estaria presente.

Isso é; Se Keaton sobreviveu a destruição da Terra-89, ele encontrará um lar na Terra do DCEU. E possivelmente não só ele, mas outros personagens podem ter esse mesmo destino. O que isso quer dizer? O filme do Flash irá balançar consideravelmente toda a estrutura do DCEU. E nós esperamos com toda a certeza que seja de maneira positiva, pois o conceito de Multiverso é a bala de prata para a DC Filmes e não deve ser disparada sem acertar o alvo com sucesso.

O filme solo do Flash está previsto para chegar nos cinemas no dia 3 de junho de 2022.

Sobre Willyan

Willyan Bertotto

Publicitário. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Últimas notícias