Ruby Rose, Batwoman e outros relatos de má conduta nas produções da CW

    A atriz Ruby Rose usou as suas redes sociais para denunciar os abusos sofridos por ela e a equipe de Batwoman durante o período em que protagonizou a série na primeira temporada. Os relatos de Rose chocam pelo descaso do alto escalão da CW e, principalmente, pela morte de dois dublês durante as filmagens e um membro da produção que ficou quadriplégica. Entretanto, esse não é um caso isolado, tendo já atores de produções da emissora, vindo relatar casos de conduta semelhante, tanto dentro como fora do selo DC. 

    Em 2017, o produtor executivo da CW, de Andrew Kreisberg, responsável por séries como The Flash, Supergirl e Legends of Tomorrow, foi afastado pela Warner Bros. TV Group após uma investigação sobre alegações de comportamento inadequado. Em um artigo divulgado pela Variety, foram ouvidas cerca de 19 vítimas do produtor, que preferiram não se identificar por medo de represarias pelo estúdio. 

    Todos os relatos, vindo tanto de mulheres como de homens, descrevem incidentes semelhantes de toque inadequado e assédio sexual endêmico. Kreisberg foi acusado de frequentemente tocar em pessoas sem sua permissão, pedir massagens de membros da equipe feminina e fazer constantes comentários sexualizados sobre a aparência das mulheres e de suas roupas. 

    De acordo com muitos entrevistados, o comportamento problemático de Kreisberg, particularmente em torno das mulheres, piorou quando ele tinha uma grande autoridade como produtor executivo em vários programas. 

    Obviamente, Kreisberg negou veementemente as alegações, porém, foi demitido pouco tempo depois. Na época, a atriz Melissa Benoist, em entrevista ao Television Critics Association, havia dado uma declaração afirmando uma significativa mudança nos bastidores de Supergirl. Entre os exemplos de má conduta do set estão a vez que Benoist teve que gravar uma cena onde todos os membros masculinos da produção estavam sem camisa.  

    Além disso, a atriz já revelou seu desconforto com o traje da heroína, que era obrigada a usar independente das condições climáticas. Tendo também revelado em uma entrevista ao programa Jimmy Kimmel Live, que já se machucou diversas vezes no set por conta do equipamento usado nas cenas de voo. 

    “Eu tenho que confessar, eu não sei se vou sentir muita falta de voar, porque fazer isso machucava meu corpo demais! (…) eu acho que continua exatamente a mesma coisa desde que o Christopher Reeve fazia isso. Só um bando de cabos e tipo, uns arreios que parecem uma fralda e fazendo [imitando uma pose de voo].” 

    Ainda em 2017, o ator KJ Apa, protagonista da série Riverdale da CW, sofreu um acidente de carro, após ter ficado trabalhando 16 horas ininterruptas de filmagens. O acidente gerou vários protestos nos bastidores, onde foi relatado que as gravações duravam até as primeiras horas da manhã. 

    No início de setembro de 2017, um pouco antes do acidente de Apa, o ator Tom Welling havia conversado com o ator e colega Michael Rosebaun, em uma entrevista ao podcast “Inside of You”, sobre uma situação muito semelhante que ocorrera no set de Smallville. 

    “(…) Eu estava acordando às 4h30, dirigindo uma hora e meia, trabalhando 18 horas por dia e dirigindo de volta, dormindo cinco horas. E vocês disseram, ‘Bem, ele vai morrer. Ele vai bater em uma árvore e o show vai acabar.” 

    A Warner Bros. TV, responsável por ambas as séries, tem uma política segundo a qual os atores são responsáveis por seu próprio transporte de ida e volta para o set de produções, especialmente quando a produção é filmada fora dos Estados Unidos. Ambos os programas foram filmados em Vancouver. 

    Outra polêmica envolvendo a emissora aconteceu nos bastidores de Superman & Lois, onde a roteirista Nadria Tucker, em um desabafo em sua conta pessoal no Twitter, revelou que não teve seu contrato renovado com a rede The CW após a mesma e outros roteiristas apontarem aos produtores a existência de tramas com viés racistas e sexistas. 

    Em entrevista ao portal Huff Post, a roteirista afirmou: 

    “No grande esquema de coisas que aconteceram às pessoas no decorrer do trabalho em Hollywood, eu não experimentei uma fração das piores coisas que rolaram. Mas o nível de micro agressões e toxicidade é tão difundido que é quase inevitável” 

    Dito tudo isso, a Warner Bros. Television deu uma declaração após as acusações de Ruby Rose, afirmando: 

    “Apesar da história revisionista que Ruby Rose está agora compartilhando de forma online, voltada para os produtores, elenco e equipe, a rede e o estúdio, a verdade é que a Warner Bros. Television decidiu não exercer sua opção de contratar Ruby para a segunda temporada de Batwoman com base em várias reclamações sobre o seu comportamento no local de trabalho”. 

    A declaração não apresenta nenhuma prova que desminta as acusações que foram ditas por Rose, que conta com provas como as fotos de suas lesões e notícias validando a veracidade de suas afirmações. Enquanto isso, o estúdio parece ter abraçado uma narrativa em que coloca a atriz como uma louca e diva, difícil de se trabalhar. 

    IMPORTANTE: O texto não tem a intenção de gerar ódio contra as séries acima citadas, somente apontar casos recorrentes de abusos e má condutas sofridos pelos membros de elenco e equipe de produção em séries da The CW.

    Marcos Vinícius
    Olá! Meu nome é Marcos e tenho um grande amor pelo jornalismo. Possuo um podcast, o Sabor de Ambrosia, e sou um grande fã da DC desde que me entendo por gente. Escrevo de tudo um pouco e, espero que gostem do que tenho pra falar.

    Deixe seu comentário

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Você pode gostar

    Siga-nos

    24,169FãsCurtir
    15,600SeguidoresSeguir
    19,444SeguidoresSeguir

    Últimas Postagens