Infinite Frontier | Grandes mudanças no multiverso DC dos quadrinhos

    A saga ‘Infinite Frontier’, escrita por Joshua Williamson e com artes do Xermanico está sendo publicada atualmente nos EUA. O agora Omniverse, passou por uma infinidade de crises e reinicializações ao longo dos anos para contar novas histórias. Após a recente reinicialização com ‘Dark Nights: Death Metal’, o conceito principal é que toda a história da DC importa. Williamson em conversa com o site The Beat, comenta que agora há uma necessidade de escolha por parte dos escritores, considerando o que aconteceu e o que não aconteceu.

    “Eu meio que escolho.” afirma Williamson. “Eu sinto que tudo o que aconteceu antes d’Os Novos 52 realmente aconteceu, e fica turvo em alguns momentos, obviamente. Mas você meio que escolhe o que funciona melhor para você e sua história.”

    Thomas Wayne e Calvin Ellis em ‘Infinite Frontier #4’.

    E o grande acerto do título até o momento são suas escolhas. O destaque desse arco fica nas relações entre o Superman Presidente da Terra-23 e o Batman Thomas Wayne do Flashpoint. Os quadros ganham em qualidade sempre que a dupla está em conjunto, e acredito que isso seja pelo legado de ambos os personagens. Eles são cativantes e possuem um grande carinho do público. Sabiamente, Williamson cria uma atmosfera amigável entre os dois e com missões importantes para o multiverso.

    Desde o início da saga, dois grandes temas recorrentes são abordados; o primeiro deles; todos no Multiverso estão cientes da existência do Multiverso. Isso mesmo. A humanidade de todas as Terras sabem que existem realidades paralelas. E esse é o grande plot da trama, justamente sobre o quão perigoso isso pode ser. Inclusive, há até mesmo semelhanças com a nossa realidade, como a presença de negacionistas que acreditam que o Multiverso é algo ruim, com cenas interessantes sobre esses momentos.

    “Há outras versões de você por aí? […] Escute especialistas explicarem porque você deve temer o Multiverso.”.

    Em segundo lugar, o multiverso está deixando todos com medo de invasores, a ponto de tomar medidas preventivas. Isso levou à formação de duas equipes: A Justiça Encarnada e A Totalidade, que se encarregam de monitorar as mudanças no multiverso. Há também uma outra equipe que está tomando medidas preventivas: o Departamento de Operações Extranormais (DEO), uma organização que historicamente investigou ameaças de metahumanos e alienígenas. Ao longo de Infinite Frontier, o DEO tem identificado e capturado refugiados e heróis do Multiverso que deveriam estar mortos e os remove da Terra-0. Uma parte significativa desses heróis são membros da Sociedade da Justiça, o que de certa forma não faz sentido considerando que eles são nativos da Terra-0 desde que Crise nas Infinitas Terras fundiu o multiverso original em uma única Terra.

    Outro time de heróis que temos na saga é uma variação da clássica Corporação Infinito. Com um lugar no universo alternativo da Terra-2, onde os heróis da Era de Ouro prosperaram no multiverso Pré-Crise nas Infinitas Terras, a chamada Infinity, Inc. foi originalmente formada e liderada pelo primeiro Sideral e consistia em jovens super-heróis que herdaram o legado de várias figuras da Sociedade da Justiça, mas que foi negada sua admissão na Sociedade da Justiça (algo semelhante aos Jovens Titãs para a Liga da Justiça). A formação em Infinite Frontier conta com Jade, Poderosa, Detonador, Esmága-Átomo e a Wildcat de Yolanda Montez.

    Recentemente, na última edição lançada nos EUA, Infinite Frontier #4 revela que esses não são os únicos grupos tentando proteger o novo Omniverse das ameaças cósmicas. Acontece que um dos membros da Justiça Encarnada, o Machinehead, estava montando a sua própria equipe: a Injustiça Encarnada.

    Dentre os personagens dessa nova equipe de vilões, temos Superwoman, Lady Quark, o Coringa da Tropa Sinestro, Dr. Silvana e Magog.

    Com todos na Terra-0 se lembrando de suas histórias passadas, esse conhecimento sobre tudo que aconteceu e propriamente a existência do Multiverso, parece estar inspirando novas invasões. Uma dessas invasões resultou na destruição da Terra-8 de Machinehead. Como resultado, seu raciocínio foi montar a Injustiça Encarnada com o objetivo de não destruir o Multiverso, mas sim mantê-lo separado.

    Recentemente, a DC anunciou um título solo da Liga da Justiça Encarnada, que deverá apresentar desdobramentos da saga Infinite Frontier. Não há até o momento data de lançamento desses títulos no Brasil.

    Willyan Bertotto
    Willyan Bertotto
    Publicitário. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

    Deixe seu comentário

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Você pode gostar

    Siga-nos

    24,169FãsCurtir
    15,600SeguidoresSeguir
    19,440SeguidoresSeguir

    Últimas Postagens