Watchmen | Passado, presente e futuro na mesma página

Remix

O conceito de remix é criar músicas com base em obras já existentes, adicionando novas camadas e uma nova personalidade a música original. Tarantino fez do remix a sua principal forma de contar histórias no cinema. Com um conhecimento absurdo sobre a sétima arte, Tarantino reescreveu a história, usando referências de diversos filmes, sempre adicionando profundidade e originalidade. 

Damon Lindelof entende muito bem o significado de um remix. A lá Tarantino, não poupou esforços para misturar aquilo que conhecemos da obra original. A diferença óbvia é que Lindelof criou a história com base em um material já escrito, filmados em outros formatos e que nas telonas carregou um misto entre amor e ódio. 

Damon tem total conhecimento dos sentimentos que permeiam Watchmen e como um maestro, sabe unir tudo o que conhecemos sobre a obra com a realidade atual, trazendo camadas novas que transcendem a obra original, expandindo tudo o que já foi feito e até mesmo abrindo espaço para quem não conhece nada sobre os quadrinhos.

O roteiro de Watchmen foi escrito com um severo cuidado. Se antes Damon Lindelof era lembrado por criar muitos mistérios e pouco resolvê-los, aqui, tudo é resolvido, exatamente no tempo certo. A série não tem medo de amarrar a trama se deslocando entre passado e presente e contando uma história com muitas simbologias que não são explicadas detalhadamente como as maiorias das obras baseadas em quadrinhos. 

O remix se transforma em algo novo, quando a série se distancia sem negar reverência a obra original. Se Zack Snyder tentou evocar o espírito dos quadrinhos com violência gráfica e frases de efeitos, a série permite que sua história fale mais alto, em alguns momentos gritando nos ouvidos de quem leu os quadrinhos mas não compreendeu o seu significado.

Quando a HQ Watchmen foi criada, ela foi considerada por muitos uma revolução nas histórias em quadrinhos. A série, é um apocalipse nas adaptações de quadrinhos. Nada é gratuito e todo o roteiro é conduzido com coragem, sem medo de expôr tantas verdades absolutas. Através dessa coragem, observamos como a mesma maturidade vista na série não pôde ser observada no seu público. Notas baixas em sites de críticas, preconceitos contra atores negros, principalmente com a escolha de um ator negro para interpretar Dr. Manhattan.

Analisar a série e não analisar o efeito no seu público é descartar a proposta da obra original. Os quadrinhos foram feitos como crítica e faziam um paralelo do passado com os anseios do presente. Na série, o mesmo espírito é visto. Escolher supremacistas brancos como mote para os vilões foi um enorme acerto. Com uma excelente ideia, transformaram Rorschach em um símbolo para a Sétima Kavalaria. Aqueles que não concordaram com essa ideia, evidenciam como a série acertou em contextualizar a história para os tempos atuais. -Leia a análise política na série-

No final das contas, o público se mistura a história. Aqueles que proclamaram preconceito disfarçado de opinião e aqueles que como muito de nós, desconheciam massacres tão profundos da história e praticamente esquecidos. O telespectador é levado para um história onde não existem heróis e olhando para o espelho pode se identificar, para o bem ou para o mal.

Watchmen é exatamente como o sonho americano, uma ilusão que quando veio a luz nos surpreendeu. A série, felizmente foi uma boa piada, uma que nenhum Comediante poderia contar. 

Nota:

Lucas Pimentel

Lucas Pimentel

Você acredita em milagres? Também não, mas vivo na esperança de um universo de filmes maravilhosos da DC. Enquanto não acontece, sonho e escrevo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *