A diretora de “Mulher-Maravilha 1984”, Patty Jenkins, resistiu as investidas da Warner Bros. para uma data de lançamento no inverno americano de 2019, dizendo que sua sequência teria sido um “filme pior” se não fosse transferida para o verão de 2020.

“Eu nunca quis que ele saísse no inverno. Eu estava lutando contra o estúdio porque deveríamos lançar no verão de 2020, e então eles não tiveram um grande filme para 2019.”, disse Jenkins ao The New York Times. “Eu estava no meio de uma série limitada, e de repente eles anunciaram que tinham adiantado a data de lançamento em sete meses, o que ia me dar muito menos tempo para fazer o filme que eu tinha planejado para a Mulher-Maravilha. Eu estava dizendo: ‘Pessoal, por que vocês garantiriam que eu não posso fazer um filme tão bom fazendo isso muito rápido?

Então, discutimos sobre isso o ano todo, e eu tive que desistir de fazer uma série limitada inteira e apenas fazer os dois primeiros episódios, e correr para escrever um tratamento de 80 páginas ao mesmo tempo que estava tentando dirigir a série”

Jenkins se refere sobre sua série limitada na TNT, estrelada por Chris Pine, ‘I Am the Night’.

“Finalmente tivemos a sorte de ter voltado. Teria sido um filme muito pior se tivesse saído então.”, conclui Jenkins.

A cineasta disse também ao The New York Times, sobre a possibilidade de dirigir um terceiro filme da heroína.

“Vamos ver o que acontece. Eu realmente não sei. Eu sei que adoraria fazer o terceiro se as circunstâncias estivessem certas e ainda houvesse um modelo para os cinemas possível. Eu não sei se faria se não houvesse.” disse Jenkins.

Patty se refere ao modelo proposto pelos executivos da WarnerMedia, como um plano de um ano devido ao fechamento dos cinemas em meio à pandemia da COVID-19. Jenkins, que fez um considerável sucesso de bilheteria global quando “Mulher-Maravilha” arrecadou US$ 822 milhões em 2017, duvida que o modelo da HBO Max seja apenas uma medida temporária.

“Eu gostaria de acreditar que é temporário, mas eu não tenho certeza. Mas vou te dizer, algum estúdio vai voltar ao modelo tradicional e causar uma tremenda reviravolta na indústria, porque todo grande cineasta vai trabalhar lá.”, disse Jenkins. “E os estúdios que fazem essa mudança radical [de mover seus lançamentos dos cinemas para um serviço de streaming], particularmente sem consultar os artistas, acabarão com uma lista muito vazia de cineastas de qualidade trabalhando lá.”

Jenkins recebeu a notícia que “Mulher-Maravilha 1984” teria a sua estreia de forma simultânea no streaming cerca de “duas ou três semanas” antes de ser anunciado publicamente.

“Foi estranho, porque o ano todo eu estava com medo disso, e todo mundo no estúdio ficava dizendo: ‘De jeito nenhum, nunca vamos fazer isso’, porque você tem que ganhar muito dinheiro com essa coisa. Então, quando sugeriram, fiquei chocada.”, disse Jenkins. “Não concordamos imediatamente – foi um processo muito, muito longo, e não sei se eles nos deixariam discordar com base no que eles têm feito agora. Mas eu estava de forma conveniente nisso para este filme.”

As primeiras sessões de “Mulher-Maravilha 1984” entraram em exibição nos cinemas do Brasil na última semana. Confira nossa crítica sem spoilers sobre a produção -neste link-.

Sobre Willyan

Publicitário. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Últimas notícias