Batman 66′ | Burt Ward, o Robin da clássica série, revela momento curioso dos bastidores

Burt Ward, o Robin/Dick Grayson da clássica série dos anos 60 e que recentemente ganhou uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood, revelou recentemente que a emissora ABC durante o início das produções do seriado, o levou para tomar pílulas que encolhiam o pênis.

Aparentemente, o traje do Robin de Ward – o companheiro de Batman de Adam West – no programa de TV dos anos 60 provocou a ira da Liga Católica da Decência. “Eles pensaram que o Robin tinha um volume muito grande para a televisão”, disse o ator em entrevista a Page Six. Como Ward afirma, a questão se tornou tão preocupante para a ABC que a rede o levou a procurar um médico, que prescreveu pílulas “para encolher o volume.”.

No entanto, Ward explica que ele parou de tomar o medicamento logo após o início. “Tomei por três dias e depois decidi parar pois poderia me impedir de ter filhos”, disse ele. “Parei de fazer isso e usei minha capa para cobrir.”

O ator continuou explicando que, apesar de estar no programa de televisão mais popular da América dos anos 60, não é como se ele constantemente tivesse admiradores. “Você deve entender que nunca fumei, bebi ou usei drogas, por isso nunca fui a um bar em toda a minha vida”, disse Ward. “Não é para dizer que eu não saí e me diverti, mas nunca saí e fiz o que você acha que as celebridades de Hollywood fazem.” afirma o ator.

“Eu era aluno direto da UCLA”, continuou ele. “De fato, o reitor da UCLA estava chateado comigo quando saí no meu terceiro ano para trabalhar como o Robin, porque ele disse que eu deveria ser um físico nuclear. Eu estava entre os 3% melhores nos Estados Unidos em ciências e matemática”.

Ward começou a interpretar Robin quando Batman estreou na ABC em janeiro de 1966, aparecendo em todos os 120 episódios das três temporadas da série, bem como no longa-metragem lançado no cinema. Atualmente, ele se dedica à caridade ao lado de sua esposa, administrando a maior instituição de resgate de cães de grande porte do mundo.

“15.500 cães estariam mortos se não fosse minha esposa Tracy [Posner] e eu”, explicou ele. “Sempre temos um mínimo de cinquenta cães em nossa casa. Fazemos comida para cães. Descobrimos uma maneira de duplicar e triplicar a vida útil dos cães. Nossa comida está em todas as lojas da América. E não tiramos um centavo disso. ” completa Burt.

Willyan Bertotto

Publicitário formado pela Universidade Feevale, Novo Hamburgo/RS. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of