A Amazon anunciou o início de uma nova produção com Seth Rogen, e seu parceiro de redação, produção e direção, Evan Goldberg. A dupla, que já é responsável pela produção de Preacher, baseada na HQ de Garth Ennis, irá embarcar em uma nova produção baseada em outra HQ do mesmo autor, The Boys. Publicada inicialmente pela DC Comics, que a lançou dentro da linha Wildstorm e cancelou após seis edições. A HQ foi assumida pela Dynamite Entertainment, que publicou a história até 2012.

Já havia sido anunciado que a série iria para a Cinemax, mas depois de algumas negociações, a Amazon fechou contrato para oito episódios com a dupla. A pré-produção está em pleno andamento, e não parece que eles estão buscando grandes nomes para o projeto, segundo a Deadline, já divulgado o nome da atriz para o papel de Centelha.

O que você faria se tivesse superpoderes? Se não tivesse ninguém capaz de te impedir? Nem polícia, família, amigos ou código de moral que te impedissem de nada. Aí então surgiriam “Os Rapazes“.

The Boys é o nome dado a equipe de “serviços especiais” da CIA que é responsável por “manter na linha”, de foma nada convencional, os super-heróis que derem problemas. No universo em que se passa a história, os heróis são pessoas modificadas, direta ou indiretamente, por uma droga chamada composto V, subordinados da Vought America, organização privada à serviço do governo americano. Inicialmente, a VA fornecia armas e jatos, e com os avanços científicos também começaram a fornecer os chamados “Supers”, e que de forma sutil tem envolvimento em vários acontecimentos (leia-se tragédias) globais.

Os Supers apresentados em The Boys são sátiras, das mais escrachadas, de heróis da DC e concorrência, tendo versões bem reconhecíveis da Liga da Justiça e Jovens Titãs, bem como outros heróis e equipes.

Atenção! A partir daqui essa matéria contem spoilers, muitos spoilers.

As histórias são repletas de conteúdo adulto e gore. Logo de início, somos apresentados a um dos membros dos Rapazes, Hugh Campbell, que foi recrutado após ter sua namorada esmagada por um super enquanto estava em seus braços. Isso mesmo, ela foi ESMAGADA! Restaram apenas seus braços que Hugh segurou em estado de choque por horas. Enquanto isso, o super que causou essa tragédia saiu sem ao menos pedir desculpas, como se nada tivesse acontecido.

Esse comportamento é o combustível que nutre Os Rapazes para chutar muitas bundas de super-heróis folgados. Cada integrante da equipe tem sua própria história e motivos para odiarem os supers, que são desenrolados ao longo da narrativa.

Agora listamos para vocês motivos para ler e não ler The Boys

Motivos para não ler The Boys

1 – É desconfortável ler em público.

Sabe aquela sensação quando você está vendo um filme/série e seus pais estão juntos e começa uma cena de sexo? Pois é, essa é a sensação de ler The Boys em público. Você está lá, lendo a HQ na maior paz do mundo e quando vira a página (ou rola o pdf), PÁ! Tá lá uma cena muito desagradável de uma orgia entre super heróis ou uma planeta que parece uma parte íntima gigante.

2 – Se você for mulher, dificilmente você vai encontrar alguém pra conversar sobre essa HQ.

Pois é, se tem o habito de conversar com um amigo por horas sobre uma leitura que você teve e achou interessante, dificilmente vai acontecer com essa HQ. Principalmente se você for mulher, talvez pela sociedade acreditar que pelo conteúdo sexual, sangue e tripas não vamos achar The Boys interessante. Além disso algumas pessoas podem se sentir constrangidas em falar de conteúdos mais pesados com uma “dama”.

3 – Dificilmente você vai encontrar alguém pra conversar sobre essa HQ.

Independentemente de ser mulher ou não, vai ser difícil encontrar alguém que leu The Boys, provavelmente os fãs mais antigos da HQ irão discordar. Mas falo do grande público, a maioria não conhece quadrinhos de perfil “underground” e se concentra em histórias mais conhecidas de heróis mais populares, e que são encontradas mais facilmente para comprar ou baixar.

4 – Cenas nojentas.

São apenas desenhos, mas somados a narrativa boa parte é de embrulhar o estômago. Gore de todos os tipos e em várias escalas. Você sente nojo e repulsa muitas vezes. Principalmente nas cenas que envolvem uma república de heróis adolescentes dos G-Men.

5 – Sexualização

Não contei a dedo, mas provavelmente em todo capítulo tem uma cena de sexo, sendo em sua maioria desnecessárias. As cenas que envolvem os Supers são deprimentes, principalmente quando relacionada a prostitutas que precisam usar um derivado do composto V para suportar as relações. Além de todo o exagero nos uniforme femininos, que é posto em certo ponto como uma crítica às histórias em quadrinho em geral.

Motivos para ler

1 – The Boys

Cada membro da equipe tem uma história obscura que é revelada ao longo do desenrolar dos fatos. Mesmo que algumas pareçam mentira. Como a do Francês, onde seu pai morreu em um acidente de bicicleta por terem enfiado um croissant na grade das rodas.

2 – Hugh

O membro mais novo da equipe tem um bom coração, e procura humanidade nos supers mesmo quando ninguém acredita. Seus conflitos pessoais, suas tragédias, nos fazem torcer por ele a todo momento, e querer acompanhar o seu desfecho.

3 – Centelha

Outra personagem que nos conquista. Centelha é responsável pelas melhores histórias da HQ. Sua saída de um grupo menor de heróis “religiosos” para se tornar parte d’Os Sete envolvem quebra de valores, abuso, e uma grande mudança de personalidade. A personagem também aborda um item muito importante: a sexualização de super-heroínas. Forçada a mudar sua aparência e sua história pessoal para se adequar aos padrões Supers, Centelha cresce como personagem e se impõe para tomar as rédeas de sua própria vida.

4 – Conspirações

Cheia de conspirações, cão come cão. A Vought America elevou o nível da briga pela dominação mundial. Se envolvendo até mesmo com a mafia Russa. Toda a trama de acontecimentos mundiais parecem ter o dedo da organização. E isso nos faz questionar se não é assim também na vida real.

5 – Paródia

A série parodia muitos personagens conhecidos, tanto das histórias em quadrinhos quanto da vida real. É interessante ler a história e começar a identificar essas paródias, ainda mais quando se mostra um lado dos então chamado heróis que os deixam com um aspecto real.

The Boys tem muito potencial para uma ótima série adaptada, principalmente considerando que está nas mãos da dupla que tem adaptado Preacher para as telas. A série só começa a ser rodada por volta de abril de 2018, com estreia prevista para 2019. No Brasil, o quadrinho publicado anteriormente pela DC voltou a ser publicado pela Devir.

Sobre Rebeca

Rebeca Vilas Boas

Uma deusa, uma louca, uma feiticeira.

Últimas notícias