Christian Cooper, o ex-editor da Marvel Comics voltou ao mundo das histórias em quadrinhos. E sua nova história é parcialmente inspirada no dia que ele sofreu um ato de racismo no Central Park.

Na época, o Sr. Cooper viu uma mulher branca andando em uma área comum do parque com o seu cachorro sem coleira. Ele pediu gentilmente para ela colocar a coleira no cão, como as regras do parque exigiam. Ela recusou. Eles trocaram palavras, e ele gravou em seu telefone a mulher ameaçando relatar que “um homem afro-americano está ameaçando sua vida”, com uma falsa acusação. Então, enquanto o Sr. Cooper continuava a filmar, ela ligou para o 911.

A história em quadrinhos de 10 páginas de Cooper, “It’s a Bird”, ficou disponível digitalmente nesta quarta-feira. Ilustrado por Alitha E. Martinez, escrita por Mark Morales e colorida por Emilio Lopez, a edição é a primeira história de “Represent!”, série digital da DC Comics que mostrará escritores e artistas de grupos sub-representados na indústria. Confira a prévia:

“É um pássaro.” apresenta Jules, um adolescente que ganha um par de binóculos por seu pai e usa para explorar sua região. Jules, que tem um conhecimento enciclopédico de pássaros, é rapidamente ameaçado por sua presença como um homem negro em um espaço aberto.

Esse e outros momentos de hostilidade evocam perfis raciais que Cooper e outros observadores negros dos EUA experimentaram, mas a história se torna um pouco mística quando Jules começa a usar seus binóculo para ver além dos pássaros, observando imagens de pessoas negras vítimas da violência policial, incluindo Amadou Diallo, Breonna Taylor e George Floyd.

Cooper trabalha como diretor editorial sênior da Health Science Communications e não achou que acabaria de volta para uma editora de super-heróis, mas aqui está ele.

“Eu realmente gostei quando [a DC Comics] veio até mim e disse se você quer fazer esse quadrinho, porque eu tinha algo a dizer.”, disse ele em uma entrevista.

“É interessante como ele aborda este espaço no Universo DC que normalmente não é ocupado. É um conto muito mágico e realista. Há algo fantástico que acontece no decorrer da história. Mas não é sobre capas. Não são super-heróis. Eu não estava sentado pensando e esperando entrar nos quadrinhos novamente. Mas quando essa oportunidade foi apresentada eu fiquei tipo, ‘Oh, claro que sim. Eu quero fazer isso.”

Cooper disse que quando começou “It’s a Bird”, ele não sabia que tipo de escritor de quadrinhos ele encontraria dentro de si mesmo.

“Eu estava muito inseguro quando comecei a escrevê-lo, porque não faço quadrinhos há 20 anos”, disse Cooper. “Mas eu comecei a fazê-lo e não só eu me lembro como fazer isso, mas eu realmente acho que estou fazendo um trabalho razoavelmente bom e eu estou gostando do inferno fora dele.”

Qualquer fã da DC Comics pode dizer que “É um Pássaro” é um aceno claro ao Superman (é um pássaro, é um avião, é o Superman!). Mas Cooper também viu o título como uma forma de homenagear as vidas negras caídas que ele apresentava.

“No final, [a história] pega essa frase que está associada ao Superman e apenas lança para este outro lugar, para este momento de graça que tantos foram negados em como morreram e meio que dando a eles na ficção o que eles não conseguiram na vida real”, disse Cooper. “Eu acho que era muito importante fazer isso.”

A edição foi lançada pela DC nesta quarta-feira em formato digital.

Sobre Willyan

Willyan Bertotto

Publicitário. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Últimas notícias