Dick Vigarista e Muttley | Ação, espionagem, existencialismo e uma origem para a dupla tão conhecida das animações

Famosos pelas trapaças desastrosas na série de desenhos animados Corrida Maluca ou pela caça obsessiva e frustrada ao pombo Doodle, a dupla Dick Vigarista e Muttley está, dessa vez, fora dos televisores para ganharem vida em uma versão HQ.

O Tenente Coronel Atcherly e o Capitão Muller, ou Dick e Mutt, oficiais das Forças Aéreas dos EUA, iniciam a história em um voo de reconhecimento sobre o Improvaquistão, uma área completamente devastada após um malsucedido teste com um reator atômico alimentado pelo elemento raro Instabílio 239.

Durante a missão, entre uma acalorada discussão da dupla, afinal Mutt ousou levar a bordo seu gracioso cão vira-lata, encontram-se diante do misterioso drone P-MBO GUERREIRO, que daí em diante, ao disparar um gás radioativo na direção daquilo que encontra pela frente, começa a provocar o caos e uma completa instabilidade em todos os sentidos e instituições.

Como um ponto forte da HQ, toda sua liberdade e criatividade para expor um mundo que flerta com a falta de sentido, para isso o roteiro de Garth Ennis (Preacher, O Justiceiro) não poderia ser mais certeiro quando escolhe ter o ambiente principal da narrativa a política. Presidentes, senadores e outras figuras de poder que, em alguma parcela, já apresentam-se cartunescas e ideologicamente fora de qualquer razão que não apenas a sua própria, na HQ essas personalidades misturam-se com a nova realidade e tem seus discursos e ações realçados quando influenciadas por ela. O momento em que o Presidente dos EUA, em meio a um turbilhão, decide seguir sua agenda e promover o recital de harpa da sua filha no salão oval da Casa Branca é por si só uma boa dose de um realismo absurdo ou absurdo realismo que não deixa de se apresentar como uma referência.

Enquanto isso, Dick e Mutt seguem suas aventuras para se manterem vivos após a exposição ao gás radioativo, numa história que mistura ingredientes de espionagem, existencialismo, surpresas e um quebra-cabeça que vai se montando sobre o que realmente está acontecendo, a parcela de interesse do governo e as peças que se ligam ao misterioso Professor Dúbio, envolvido com o reator atômico e ligado ao efeitos do Instabílio 239.

Responsável pela arte da HQ, Mauricet (Arlequina) é preciso quando consegue chamar a atenção para os detalhes, seja nas respostas faciais sempre expressivas aos acontecimentos durante o desenvolvimento da história ou quando os personagens estão de alguma forma alterados. Os cenários também atuam,  tudo muito bem construído, uma arte que funciona como alicerce para a leitura da narrativa. As cores de John Kalisz não se omitem, são fortes, vivas e belas na construção dos cenários, quadro a quadro o trabalho aparenta uma diversão para o profissional, não é menos para quem lê. Os extras com as capas variantes são presentes, destaque para a de Liam Sharp.

Dick Vigarista e Muttley não deixa escapar a essência do que já é conhecido dos personagens via televisão, assim como se permite, sem medo, criar possibilidades e origens para determinados conflitos ou, por exemplo, para a famosa Esquadrilha Abutre, rompendo nesse momento os próprios limites do quadrinho. Aliás, liberdade é uma identidade que acompanha os demais títulos da série de HQ’s lançada pela DC Comics e que são baseadas no universo dos desenhos animados do estúdio Hanna-Barbera.

“Quando se está combatendo a loucura, os loucos são os caras certos para o trabalho”

Publicada em 2017 nos EUA, Dick Vigarista e Muttley foi lançada pela Panini no último mês no Brasil, reunindo na mesma edição todas as seis edições da série original.

Leonardo Henrique

Leonardo Henrique

Me apresento da não tão distante Ribeirão Pires City, minha residência oficial desde que nasci. Formado em artes cênicas pela ELT e, recentemente, em jornalismo. Em tempos de Crise Infinita o momento exige Multiversões de si mesmo. Acreditem, não é uma Piada Mortal, isso foi apenas uma veloz apresentação. Se o caso é parar um asteroide, resolver um mistério ou acabar com uma guerra sabemos quem se deve ter por perto. Para informações sobre a DC este é o lugar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *