Com enredo intenso, repleto de mistérios e ação, livro mostra o passado dos pais de Bruce e contextualiza uma Gotham perdida muito antes de Batman.

Um paralelo entre o presente e o passado, em que histórias antigas perturbam nos dias atuais. No centro de tudo está Bruce Wayne, diante das consequências de ações que ele não tomou, mas carrega o peso de muitas delas por causa de seu influente sobrenome, e de um passado manchado antes mesmo de perder os pais.

Wayne de Gotham é um livro de Tracy Hickman, publicado pela editora Leya sob o selo DC Comics. O enredo explora profundamente aquilo que mais gostamos no cruzado encapuzado: sua habilidade como detetive. Ao longo das 272 páginas, eventos estranhos começam a despontar em Gotham, alguns deles colocando sob suspeita nomes conhecidos e aparentemente confiáveis, como o de seu mordomo, tutor e amigo, Alfred Pennyworth.

Bruce encontra o diário de seu pai, Thomas Wayne, e redescobre em suas lembranças um homem diferente daquele que se lembrava. O mesmo acontece com sua mãe, ao conhecer, pelas memórias do pai, uma Martha Kane que Bruce não contava. De repente, os segredos que envolvem o casal parecem fazer sentido, nos levam a uma imagem sombria dos pais de Bruce, e entregam acontecimentos que ligam a família Wayne aos terrores do Asilo Arkham, de forma a despertar em Batman e no leitor a mesma pergunta:

Teriam Thomas e Martha Wayne sido assassinados no Beco do Crime por mera casualidade?

É a dúvida que leva o Cavaleiro das Trevas a mais uma investigação sobre o ocorrido, só que agora, desprovido da referência inocente que Bruce construiu desde menino sobre seus pais. O desenrolar envolvente (e quase angustiante) leva o leitor à busca pela verdade junto de Batman. As cenas de combate são de tirar o fôlego, e mesmo uma simples discussão – como a de Bruce e Alfred – pode te levar às lágrimas.

Concluímos um pouquinho de cada vez onde se encaixa cada peça de um complexo quebra cabeças, e é isso que torna Wayne de Gotham um daqueles livros para se ler de sopetão, pois não há outra forma de lidar com ele.

Sobre Flávia

Acredito em signos, no amor e em Snydeus. Gosto de tudo quanto envolve a cultura geek, e minha história com a DC não começou pelos heróis, mas sim pelos vilões. Personagens complexos e com profundidade têm um lugar especial no meu coração, então, nem preciso dizer que meus favoritos são Batman e Coringa.

Últimas notícias