Na última sexta-feira, estreou no streaming DC Universe a nova série animada da Harley. É bom iniciar falando que a série DEFINITIVAMENTE não é para crianças. “Harley Quinn” aborda a sua independência do Coringa para finalmente a personagem se emancipar e dominar de vez o crime de Gotham ao lado da sua parceira, Hera Venenosa.

A série superou todas as minhas expectativas apresentando um piloto incrível com muita violência como foi prometido, e com um humor bastante ácido vendo claramente as inspirações e elementos de “Rick and Morty” além da clássica homenagem a “Batman: A Série Animada” onde a própria personagem apareceu pela primeira vez. O estilo da animação fascina, todos os personagens tem uma estética marcante nos traços que conseguem deixá-los até mais bonitos do que já são. O roteiro é realmente muito mórbido e engraçado.

Recentemente, a DC vem apostando em uma nova releitura da Harley considerada por muitos fãs o “4º pilar da DC Comics” de uma maneira mais madura e independente, já que a personagem passou anos sendo tratada apenas como uma sombra do Coringa. Nessa animação, o episódio piloto já mostra o que a temporada vai apresentar: Mostrar sua libertação e independência ao lado da sua até então “melhor amiga.”

A Hera Venenosa está espetacular e tem, talvez, o mesmo protagonismo da Harley. Quando conversamos com o produtor da série Patrick Schumaker -Leia aqui– ele falou sobre o desenvolvimento da amizade da Harley e da Hera, e quem sabe futuramente um romance, já que no momento a Harley está totalmente focada em provar para todos que ela não é simplesmente a “namorada do Coringa” ou melhor, a Ex.

Não há como quem shippa essas duas, deixar de ficar com coração quentinho em cada interação, mantendo muito a relação dos quadrinhos onde a Ivy sempre tentou alertar a Harley do seu relacionamento abusivo, mostrando para ela como a Arlequina é inteligente e especial. Nós vemos isso com veemência neste primeiro episódio.

Respeitando muito a ligação que a Ivy construiu desde a animação dos anos 90, quadrinhos, e agora, com a animação atual, a relação das duas foi de extrema importância para o amadurecimento e a atual realidade de Quinn, percebendo que ela é maravilhosa sozinha. A narrativa da série utiliza momentos fofos e engraçados ao mesmo tempo, já que ambas são muito diferentes uma da outra gerando aquele contraste que sempre existiu, porém, nessa animação é bem mais intenso, as duas funcionam tão bem juntas que chegam a emocionar a pobre fã aqui.

Por fim, precisamos falar sobre os personagens coadjuvantes já que o Batman, Coringa e outros vilões malucos de Gotham são todos hilários e a série consegue arrancar risadas usando elementos de dentro e fora dos quadrinhos, e até te fazendo pensar: “Caramba, como não notei isso antes?”.

Todo conjunto de cores vivas, personagens engraçados e um roteiro ácido funcionam para essa série, e estou ansiosa para todo resto da temporada e descobrir o que nossa palhacinha e a Hera vão aprontar.

“Harley Quinn” está disponível no DC Universe, e toda semana teremos um novo episódio.

Nota:

Sobre Sana

Sana Lima

Olá, me chamo Sana tenho 19 anos e curso Direito, atualmente no 4º período. Sou apaixonada por criminologia e política, o que fez apaixonar-me cada vez mais pela DC Comics, mas isso começou quando eu era criancinha e vi pela primeira vez a Shayera em Liga da Justiça Sem Limites e decidi que tinha que ser ela HAHAHAHA. Espero contribuir para o Terraverso com minha bagagem que está se desenvolvendo cada vez mais no universo da DC Comics.

Últimas notícias