Crítica | Krypton: Uma viagem aos dias de glória do planeta do Homem de Aço

    O universo de seriados da TV é um mundo vasto e para diversos gostos. Muitas séries foram desenvolvidas ao longo de tantos anos da DC, principalmente sobre o Superman.

    Já foram criadas série abordando a vida cotidiana do Homem de Aço como Lois e Clark: As Aventuras do Superman ou a inesquecível Smallville: As Aventuras do Superboy contando como o garoto do Kansas se tornou o ícone Superman, ou até mesmo Supergirl que conta com a presença de seu primo como um grande aliado nos momentos difíceis. Todas as séries tem em comum sempre citarem o planeta Krypton, tanto como a origem dos heróis quanto como uma civilização avançada tecnologicamente e de uma cultura de costumes passados a cada geração.

    Em março de 2018 foi lançada a série Krypton, contando na sua história como eram os dias do planeta natal de Superman e dando uma luz especial para o mundo kryptoniano, apresentando sua sociedade complexa e sendo de suma importância para o futuro do Homem de Aço e do planeta Terra.

    A série é uma parceria entre o canal SyFy e a Warner, não tendo nenhuma relação com as séries do canal CW. O responsável pelo desenvolvimento da série foi  David S. Goyer, roteirista de Batman vs Superman e Batman Begins , tendo em sua temporada dez episódios lançados entre março e maio de 2018 com uma segunda ainda em fase de produção. O elenco conta com a presença de Cameron Cuffe como Seg El, o avô de Clark Kent / Superman, Georgina Campbell como Lyta Zod, Shaun Sipos como Adam Strange e com a participação de Colin Salmon (Máquinas Mortais), interpretando  Dru Zod, conhecido para o público como o General Zod, um dos grandes adversários do Superman.

    A premissa da série é contar sobre a trajetória de Seg, cidadão de Kandor uma das grandes cidades de Krypton e o avô do Superman, que perde o seu nome e honra em um caminho de redenção, ao tentar recuperar seu status e salvar seu planeta. Ele vê o futuro ficar ameaçado com a chegada Braniac, ameaçando inclusive a não existência do Superman nos tempos atuais.

    Uma das coisas mais importantes de se destacar é como foi imaginada toda a estrutura da sociedade kryptoniana, suas casas, hierarquia, a importância de cada membro em uma cadeia de poder cuja o nome já pode significar muito sobre você, os feitos de seus ancestrais são uma marca importante de sua família e um legado a ser carregado em sua geração.

    É sobre este legado que começa a história de Seg El, perdendo seu nome e o direito de usar seu símbolo após a condenação a pena de morte de seu avô Val El sob uma acusação falsa de Daron Vex, interpretado por Elliot Cowan, um oligarca que tem sede de poder e usa de esquemas e manipulação para conseguir ganhar o poder na cidade de Kandor, uma das grandes cidades de Krypton. Os pais de Seg são mortos por Jayna Zod, líder da força militar de Kandor conhecida por ser conservadora e implacável quando se trata de defender a sua cidade.

    Dentro de toda essa luta de poder ainda existe a visita de Adam Strange, vindo do futuro, contando que em seu tempo o neto da casa de El é o maior herói de seu planeta, o Superman, e avisando os habitantes de Krypton que um ataque de Braniac pode mudar a linha do tempo eliminando o Homem de Aço da existência.

    Apesar da série girar em torno da invasão de Brainiac, é interessante para o espectador acompanhar estas tramas que vão surgindo ao longo dos episódios, como a luta política que acontece na cidade, os conflitos recorrentes na casa dos Zod entre Jayna e Lyta, mãe e filha respectivamente. Neste período ainda existe um conflito entre fazer o que é certo para o povo e entre proteger quem ama. Amor inclusive é um tema abordado na série com o relacionamento proibido entre Seg El e Lyta Zod, apresentado de forma bem shakespeariana, e como Nyssa Vex , filha de Daron, tenta usar isso ao seu favor para ajudar seu pai a conquistar seus objetivos.

    A relação entre os El e os Zod é interessante pelo conflito ideológico que apenas só vimos em alguns momentos. Sejam nos filmes ou séries do Superman, é dada a filosofia da casa de Zod um destaque na temporada, ganhando um episódio para que seja apresentada a visão do mundo desta família; como seus membros são tratados e o peso de carregar a honra de tantos homens e mulheres que serviram a Kandor e Krypton com uma devoção tão inquebrável quanto aço.

    A sociedade kryptoniana não é apenas baseada em politica. A religião também tem espaço com a idolatria ao deus do sol Rao, onde o raonismo se tornou a única fé a ser cultuada no planeta. O líder religioso que se denomina a Voz de Rao comanda o topo desta cadeia de poder e conta com a força militar liderada por uma Zod para manter a ordem.

    A série também traz outro inimigo icônico do Homem do Amanhã. Em alguns episódios da temporada temos a aparição do Apocalypse, um grande inimigo que já custou a vida do Superman, sendo ele considerado uma arma extremamente letal e fora de controle. A caracterização do personagem é extremamente fiel a sua versão em quadrinhos trazendo uma boa referência ao universo do Superman.

    A participação de Dru Zod completa essa mistura com uma atuação que lembra a essência do general kryptoniano, que ameaça não só o Superman como também a Terra, com sua postura imponente e o orgulho de ser kryptoniano, sendo essa sua característica mais marcante. A capacidade de fazer o que é necessário para manter a sobrevivência de seu planeta natal cuja o amor e fidelidade são apresentados de forma incondicional.

    Em questão de roteiro, a história se torna coerente. Mesmo com dez episódios, ela consegue resolver as tramas que foram propostas, trazer surpresas, boas cenas de lutas, momentos emocionantes e ainda gera expectativas para a temporada seguinte, tudo sem ter ideias mirabolantes e apostando em uma fórmula simples de contar uma história.

    A série Krypton ainda não tem definida quando será a estreia de sua segunda temporada, mas algumas novidades já estão garantidas como a presença de Lobo que será interpretado por Emmett J. Scanlan que traz uma caracterização muito fiel a sua versão aos quadrinhos e, com a chegada do maioral a este universo, a certeza é de que haverá mais emoção para esta nova temporada.

    Nota:

    Ricardo dos Santoshttps://terraverso.com.br
    Fã de quadrinhos, séries, filmes e games. Apaixonado por DC de Grant Morrison a Alan Moore. Mais um privilegiado de estar na amada Terraverso.

    Deixe seu comentário

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Você pode gostar

    Siga-nos

    24,169FãsCurtir
    15,600SeguidoresSeguir
    19,676SeguidoresSeguir

    Últimas Postagens