Conheça a origem secreta de Aleshia Brevard, a primeira atriz trans da DC

    Muito além do que se possa imaginar, a DC é um compilado de décadas das mais singulares histórias, sejam elas impressas nas páginas dos gibis ou visualizada em suas inúmeras adaptações, na maioria protagonizada por um grande ator ou atriz. Todavia, existe uma parcela escondida dos olhos famintos do público por estarem fascinados demais com o espetáculo de capas ao vento para olharem com atenção para aqueles que deram vida a um mundo que antes só habitava os sonhos febris da imaginação…

    E, nesse caminhar pelo sonhar, uma figura chama a atenção por marcar a editora com somente a sua presença e um segredo guardado a sete chaves. Sem mais delongas, contemplem hoje a história de Aleshia Brevard, a primeira atriz transsexual a interpretar uma personagem da DC Comics.

    Origem Secreta de Aleshia Brevard

    Aleshia Brevard nasceu em 9 de dezembro de 1937, crescendo em uma família religiosa em uma parte rural do Condado de Trousdale no estado estadunidense do Tennesse. “Buddy”, como era conhecida entre seus familiares, sempre se sentiu diferente das outras crianças pela sua forte insatisfação com o garoto que presumia ser, desenvolvendo disforia de gênero e orando todas as noites para acordar como uma garota.  

    Sempre almejando os cintilantes holofotes dos cinemas, Brevard se mudou para oeste da Califórnia logo após a sua formatura, aos 15 anos, onde começou a se apresentar como drag no Finocchio’s Club em São Francisco sob o nome artístico de Lee Shaw no início dos anos 1960, fazendo impressões de Marilyn Monroe, eventualmente alcançando renome o suficiente para que a própria Marilyn fosse em uma de suas performances, se tornando a atração principal do clube. 

    Foi nessa época em que a atriz conheceu o especialista em gênero Harry Benjamin para ajudá-la com sua transição. Juntando dinheiro o bastante para viajar para Los Angeles para se encontrar com o urologista Dr. Elmer Belt, por recomendação de Benjamin, ela daria lá início a sua transição. E, após uma série de consultas, Aleshia Brevard dava início a sua nova vida ao se tornar uma das primeiras pessoas a se submeter a uma cirurgia transgênero, em 1962, numa época em que o termo “transgênero” ainda não existia. 

    Aleshia Brevard
    Atriz Aleshia Brevard em ensaio fotográfico para a Playboy.

    Após a cirurgia, Brevard voltou ao Tennesse para se recuperar junto de sua família, que colocaram o amor pela sua filha acima de qualquer desconforto que sentissem. Seu avô, por exemplo, recebeu sua neta com um forte abraço, começando a chamar Brevard de “Rosy“, um apelido carinhoso dado por ele a ela na infância. 

    Depois de um ano de recuperação, Brevard se matriculou como estudante na Middle Tennessee State University para sua graduação, que ocorreu em 1965. Após uma temporada como coelhinha da Playboy, ela estudou atuação, fazendo sua estreia na televisão no The Red Skelton Show e depois nos cinemas com o filme Um Homem Irresistível (1969). 

    Para se manter em pé de igualdade com outras atrizes, Brevard manteve o segredo sobre suas origens. Vindo a se casar quatro vezes, embora dois de seus maridos nunca souberam de seu passado. No final da década de 1970, ela havia obtido um mestrado na Universidade Marshall e complementado sua renda como professora de cinema e teatro.

    A
    Atriz Aleshia Brevard como Giganta, em 1979.

    O que foi Legends of the Superheroes?

    Legends of the Superheroes foi um especial para televisão de 60 minutos dividido em duas partes produzidos pela Hanna-Barbera Productions que foi ao ar na NBC entre os dias 18 e 25 de janeiro de 1979. Baseando-se vagamente na série animada do Super-Amigos, e contando com as participações de Adam West e Burt Wars reprisando seus papéis da série do Batman dos anos 1960. 

    No primeiro episódio acompanhamos a Liga da Justiça da América se unem no Hall dos Heróis para celebrar o aniversário do super-herói aposentado Scarlet Cyclone (William Schallert). A festa é interrompida pela Legião da Mal que anunciam ter escondido uma bomba mortal em um local secreto, e os heróis devem seguir pistas para encontrá-la. É tudo um ardil para enganar os heróis para beber a poção maléfica do Dr. Sivana (Howard Morris).

    No episódio seguinte há uma mudança de formato e vemos uma espécie de game show apresentado pelo comediante estadunidense Ed McMahon. O programa conta com diversos seguimentos que trazem de volta todos os personagens visto no episódio anterior e apresenta alguns novos. Entre eles vemos uma entrevista exclusiva entre a vilã Giganta (Aleshia Brevard) e o herói Átomo (Alfie Wise), onde eles contam sobre o seu inusitado casamento.

    Vida Posterior

    Aleshia Brevard viveu sua vida como uma mulher fora da comunidade transgênero até publicar seu livro de memórias best-seller, The Woman I Was Not Born to Be: A Transsexual Journey (2001). Na obra, ela revela sua dificuldade em se identificar como uma pessoa trans no início, desviando de perguntas muita das vezes, algo que ela veio a trabalhar quando se sentiu mais a vontade com sua feminilidade e percebendo que estava negando sua própria história. Entretanto, tempos mais tarde, a artista mostrou sua insatisfação ao ser rotulada como um “molde transexual” pela mídia.

    Ao todo, ela apareceu em nove filmes, e fez 36 aparições na televisão, produzindo mais de 20 peças, com nove escritas por ela, tendo também publicando um romance e seu livro de memórias.

    A atriz, modelo, escritora e pioneira Aleshia Brevard morreu em 1º de julho de 2017, vítima de fibrose pulmonar, em seu apartamento na cidade de Scotts Valley, no condado de Santa Cruz, aos 79 anos.

    Fontes:

    Aleshia Brevard, transgender model, actress and writer. The Sydney Morning Herald. 2017.

    Brevard, Aleshia (2001). The Woman I Was Not Born To Be: A Transsexual Journey.

    Brevard, Aleshia (2015). Bilbo’s Bend.

    Shepard, Nikita (2017). A Tennessee Trans Icon Comes Home: Remembering Aleshia Brevard.

    Marcos Vinícius
    Marcos Vinícius
    Olá! Meu nome é Marcos e tenho um grande amor pelo jornalismo. Possuo um podcast, o Sabor de Ambrosia, e sou um grande fã da DC desde que me entendo por gente. Escrevo de tudo um pouco e, espero que gostem do que tenho pra falar.

    Deixe seu comentário

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Você pode gostar

    Siga-nos

    24,169FãsCurtir
    15,600SeguidoresSeguir
    19,422SeguidoresSeguir

    Últimas Postagens