Em entrevista exclusiva para a revista digital americana Vanity Fair, o cineasta Zack Snyder revela seus motivos para retornar ao comando de ‘Liga da Justiça’, longa originalmente lançado em 2017 e tido na época como um filme feito pelo mesmo, mas que na realidade não poderia ser mais distante do que isso.

Entrevista e matéria original de Anthony Breznican adaptado e editado em português.

Apesar de ser creditado como o diretor, Zack Snyder nunca sequer viu a ‘Liga da Justiça’ que deixou para trás em 2017. Seu nome está nos créditos como cineasta, mas sua esposa, Deborah, que produziu o filme ao seu lado, o aconselhou a não se dar o desprazer de ver. No fim daquele ano, Deborah Snyder sentou-se em uma sala de projeção no estúdio ao lado de Christopher Nolan, um dos produtores executivos do filme, e diretor da trilogia ‘O Cavaleiro das Trevas’.

 “Foi só … é uma experiência estranha”, disse ela agora. “Não sei quantas pessoas têm essa experiência. Você trabalhou em algo por muito tempo e depois vai embora e verá o que aconteceu com ele.”

Em 17 de novembro de 2017, a equipe liderada por Batman, Superman, Mulher-Maravilha, Cyborg, Aquaman e Flash debutou nos cinemas com uma recepção nada calorosa. Desprezado pelos críticos, menosprezado pelos fãs perplexos e quase rejeitado por aqueles que o criaram.

“Eles vieram e apenas disseram:‘ Você nunca deve assistir esse filme ’”, afirma Zack Snyder. “Porque eu sabia que isso iria partir o coração dele”, acrescenta sua esposa.

A morte de sua filha foi a razão pela qual os Snyder’s se afastaram da Liga da Justiça, percebendo que sua luta e espírito eram necessários em casa, com seus outros filhos e entre sí, em vez de em uma batalha perdida com um estúdio poderoso. Agora ela é a principal razão pela qual ele decidiu voltar.

É um relâmpago no centro de toda esta saga.”, diz Snyder sobre a morte de sua filha Autumn. “No final do filme, deixei uma homenagem a ela ‘ Para a Autumn ’”. Quando ele fala sobre sua filha, o cineasta de 54 anos, de outra forma desconexa e entusiasmado, sempre desvia o olhar. “Sem ela, isso absolutamente não teria acontecido.

Os Snyder’s tentaram continuar por dois meses após a morte da filha, encontrando consolo em seu trabalho, como se sua missão fosse terminar a Liga da Justiça. Mas a situação com a Warner Bros. havia implodido. A história oficial era que eles estavam deixando o filme voluntariamente devido à tragédia de sua família, e que Zack foi escolhido Whedon para completar o filme que havia planejado. Apenas metade disso era a verdade.

Até aquele momento, Zack era o arquiteto de todo o universo cinematográfico da DC – e suas escolhas de elenco ressoaram por todo o resto. Ele escolheu Gal Gadot para interpretar a Mulher-Maravilha em ‘Batman vs Superman’ e produziu o primeiro filme solo da heroína, comandado por Patty Jenkins.

“Me lembro da Gal me dizendo: ‘Zack, eu ia sair do ramo. Eu estava me preparando para simplesmente voltar para Tel Aviv e simplesmente ter uma vida normal por lá. Eu estava cheia de Hollywood. Eu ia fazer só mais este teste. ‘Então ela entrou na sala de audição e eu fiquei tipo: ‘ Essa é a minha Mulher-Maravilha ‘” disse Snyder.

Seu trabalho original em ‘O Homem de Aço’ desafiava as expectativas e normas de fãs e críticos, o que às vezes levava a ressalvas do estúdio. Ao escolher Jason Momoa como o Aquaman de Batman v Superman, Snyder decidiu renegar aos cabelos loiros e olhos azuis do herói dos quadrinhos em favor dos cabelos longos e escuros e do olhar brabo de Momoa, que tinha vindo fazer o teste na verdade para o papel de Bruce Wayne.

“Ele (Jason) é um garoto de uma ilha no Pacífico, e tem uma conexão forte com o mar – então e se ele for Aquaman?” Snyder relembra de ter pensado. “Todo mundo estava tipo, ‘Você é louco. Isso não vai rolar. ‘”

Mas críticas negativas para ‘Batman v Superman’ destruíram a confiança da Warner Bros. em Snyder. Até mesmo os produtores do diretor, como o chefe de produção Greg Silverman, estavam preocupados.

“Quando ‘Batman v Superman’ foi lançado e tivemos uma reação negativa dos fãs, foi desanimador para todos nós”, disse Silverman, agora fundador e chefe da empresa de conteúdo independente Stampede Ventures. “Zack fez esses filmes, como 300, que agradavam ao público. E esse era o nosso trabalho – agradar ao público. E aqui, fizemos um filme juntos, e não agradou muito o público. ”

Zack é um contador de histórias visual magistral que se aprofunda em personagens individuais”, diz Diane Nelson, que foi presidente da DC Entertainment durante a era de Snyder. “Para algumas pessoas, isso é incrível, e para outras pessoas isso se torna o problema porque elas têm opiniões fixas sobre quem esses personagens da DC são e quem não são.”

Apesar dos elogios, em 2016 a história parecia completamente outra, quando o presidente do estúdio manda Jon Berg, chefe de co-produção, e Geoff Johns, chefe de criação da DC Entertainment, visitar o set de Liga da Justiça TODOS OS DIAS.

Jon lembra desse dever como um ponto baixo em sua carreira. “Foi realmente complicado e não uma posição que eu amava, para ser honesto”, diz ele. “Tentei ser franco sobre o que pensava criativamente. Meu trabalho era tentar mediar entre um criador cuja visão é instintivamente sombria e um estúdio que percebeu, certo ou errado, que os fãs queriam algo mais leve. Eu era respeitoso com o diretor e não perseguia coisas que vinham para mim do lado corporativo que eu achava que não estavam de acordo com o que faria o filme melhor. ”

Snyder sabia por que Johns e Berg estavam no set.

Você poderia chama-los de babás”, diz ele. “Não me incomodou muito porque eles não eram tão ameaçadores. Eu apenas senti as ideias que eles tiveram, em que eles estavam tentando injetar humor e coisas do tipo, não era nada que fosse muito ultrajante.

Mas não demorou muito para que a Warner Bros. interferisse no filme após a chegada de seus vigias na produção. O estúdio rejeitou algumas de suas ideias para a Liga da Justiça, como um romance entre Bruce Wayne de Ben Affleck e Lois Lane de Amy Adams, que estava em luto pela morte do Superman no filme anterior.

A intenção era que Bruce se apaixonasse por Lois e então percebesse que a única maneira de salvar o mundo era trazer o Superman de volta à vida”, diz Snyder. “Então ele teve esse conflito insano, porque Lois, é claro, ainda estava apaixonada pelo Superman. Tivemos um belo discurso em que [Bruce] disse a Alfred: ‘Nunca tive uma vida fora da caverna. Nunca imaginei um mundo para mim além disso. Mas essa mulher me faz pensar que, se eu conseguir reunir esse grupo de deuses, meu trabalho estará feito. Eu posso desistir. Eu posso parar. ‘E é claro que isso não funciona para ele.

Não funcionou para Snyder também, pois o estúdio disse não!

Em janeiro de 2017, o diretor mostrou seu primeiro corte para Kevin Tsujihara, o diretor do estúdio. A recepção não foi boa, de acordo com Snyder.

“Houve uma ordem de Tsujihara para que o filme tivesse duas horas de duração”, diz Snyder: “Como vou apresentar seis personagens e um alienígena com potencial para dominar o mundo em duas horas? Quer dizer, eu posso fazer isso, isso pode ser feito. Claramente foi feito ”, diz ele, referindo-se à versão de Whedon. “Mas eu não vi.” 

Relatos de que o próprio Snyder pediu ajuda a Whedon eram falsos.

“Eu pensei que talvez ele pudesse escrever algumas cenas legais. Achei que seria divertido.” Afirma Snyder sobre a adição de Whedon ao time de roteiristas durante as regravações de Liga da Justiça. “Acabamos de perder a vontade de lutar aquela luta de várias maneiras”, diz Zack. “Todos nós, a família inteira, estamos tão quebrados [por perder Autumn], que ter aquelas conversas no meio de tudo que estava acontecendo realmente se tornou … Eu estava tipo, ‘Sério?’ Francamente, acho que fizemos a coisa certa porque eu acho que teria sido incrivelmente beligerante ou apenas nós empurrando com a barriga.

Whedon reescreveu e refilmou cerca de três quartos da Liga da Justiça, com base no que Snyder pode reunir.

Quando pudemos ver o que Joss realmente fazia, foi espantoso”, disse um executivo do estúdio, que pediu anonimato. “O ladrão no telhado – tão bobo e horrível. A família russa – tão inútil e sem sentido. Todo mundo sabia disso. Foi tão estranho porque ninguém queria admitir que merda era essa.

A Liga da Justiça de Whedon chegou aos cinemas em 17 de novembro de 2017, e pouco tempo depois, uma nova narrativa surgiu nas redes sociais: #ReleaseTheSnyderCut. Movimento que Snyder gradualmente começou a encorajar. Em novembro de 2019, Snyder promoveu a tag. Gadot e Affleck agora estavam pedindo que sua versão fosse lançada também.

Poucos dias depois, Toby Emmerich, presidente da Warner Bros. Picture Group, ligou para Snyder com uma oferta: Vamos tentar novamente?

“Muitas pessoas na empresa, inclusive eu, sempre se sentiram mal porque Zack não conseguiu terminar sua visão deste filme por causa das circunstâncias”, diz Emmerich. “E então, se houvesse uma maneira de tornar isso logisticamente e financeiramente possível, o que a HBO Max fez, e Zack estava disposto a fazer isso, parecia uma vitória para todos.”

Inicialmente, Snyder disse que a Warner Bros. só queria lançar a filmagem bruta do filme. Snyder não confiava nas motivações do estúdio.

“Eu digo,‘ Aqui está o porquê. Três razões: uma, você tira a internet de suas costas, o que provavelmente é o principal motivo para querer fazer isso. Dois, você começa a se sentir justificado por acertar as coisas, eu acho, em algum nível. E então, três, você tem uma versão de merda do filme para a qual você pode apontar e dizer, ‘Viu? Não é tão bom assim. Então, talvez eu estivesse certo. ‘Eu estava tipo, sem chance. Eu prefiro que o corte do Snyder seja um unicórnio mítico para sempre. ”

Snyder estima que custou cerca de US $ 70 milhões para desfazer o desastre de Whedon. Dinheiro que o próprio Snyder não viu nada. “Não estou sendo pago”, disse ele. Ele foi pago pela primeira vez, é claro. Desta vez, o desejo do controle criativo e abrir mão de uma taxa ajudou.

“Eu não queria ficar em dívida com ninguém, e isso me permitiu manter meus poderes de negociação com essas pessoas muito fortes.” disse Snyder.

“Liga da Justiça Snyder Cut” terminará com a música “Hallelujah“, de Leonard Cohen, interpretada por Allison Crowe, uma amiga que também cantou a música no funeral de Autumn (filha de Snyder). Era a música favorita de Autumn.

“Sem ela, isso absolutamente não teria acontecido.”, ressaltou Snyder.

Agora, Snyder pode ir tão fundo e dark quanto quiser. Com 4 horas de história, Liga da Justiça pode acabar onde ele quiser. Ele adicionou o Coringa de Jared Leto, refez o final do filme e incluiu uma participação especial no final, que vai explodir as mentes dos fãs mais radicais.

”Liga da Justiça Snyder Cut” chegará ao Brasil no dia 18 de março no formato PVOD (Premium Video On-Demand).

Sobre Juan

"Lembrai, lembrai, o cinco de novembro. A pólvora, a traição e o ardil; por isso não vejo porque esquecer; uma traição de pólvora tão vil" - “V for Vendetta”

Últimas notícias