Como parte de uma iniciativa da redação Terraverso para celebrar a chegada do filme Shazam aos cinemas, estamos realizando uma série de conteúdos especiais em relação ao personagem e, nesta matéria, abordaremos sobre essa relação entre o ser menino e o ser homem que existe presente no personagem Shazam.

Como dito anteriormente, o herói Shazam é um homem cuja identidade secreta é a de um menino, na versão da Fawcett Comics, Billy Batson é um menino de 8 anos enquanto em sua versão dos novos 52 ele já tem 14 anos ( versão essa que será adaptada ao cinema). Independente de qual seja a idade, Billy é um garoto e a grande questão é: Como funcionaria a mente de um garoto dentro do corpo de um homem?

No mundo real, um homem com uma mentalidade de um garoto geralmente apresenta algum tipo de transtorno, seja por um atraso no seu desenvolvimento ou uma deficiência genética que causaria um retardo no seu processo cognitivo. No caso do personagem, o seu desenvolvimento é normal, mesmo com o seu contexto social um tanto conturbado, o artifício mágico é o que o torna um adulto e o campeão da magia.

Na versão de Shazam que será contada neste próximo mês nos cinemas, Billy é um garoto de 14 anos que não conheceu sua família. Por ser órfão, poderia-se dizer que a sua origem é semelhante à outro herói, o Batman por exemplo, porém, existem alguns detalhes neste contexto que tornam seu caso diferente do Homem Morcego. Enquanto por um lado Bruce Wayne conheceu seus pais, estabeleceu um vinculo emocional, o afeto, lembranças desta relação, ensinamentos e os teve por boa parte de sua vida ao seu lado até o seu terrível assassinato, Billy não conheceu seus pais verdadeiros, então não possui esse vínculo que é importante para uma criança nos primeiros meses de vida, principalmente nas questões relacionadas ao seu convívio em sociedade, sua relação com outras pessoas e principalmente a confiança.

Outro exemplo interessante é Kal El, o Superman. Ele também é um órfão que perde seus pais ao nascer com a destruição de seu planeta natal, entretanto, ele teve pai adotivos que lhe deram afeto, ensinaram não apenas sobre a diferença entre o bem e mal mas como também a conviver em sociedade. Shazam não teve isso pois sua contraparte criança não conhece os seus pais e viveu sempre em lares adotivos até encontrar alguma família que o acolhe-se e tentasse estabelecer esse vínculo.

Por ser um adolescente, ele encontra-se em uma fase psicossocial em que a sua identidade esta sendo construída, o que ele deseja ser e o que ele espera em relação a sociedade. Esse conflito, aliado ao fato surpreendente dele ser escolhido para ser o herói a deter os poderes do mago Shazam e, apesar de ser um adolescente que não é considerado de um bom coração (fato importante para que ele seja escolhido como campeão), ele tem ao seu lado uma potencial inocência e bondade, uma busca pela sua própria identidade e o reconhecimento em ser um herói. O interessante é perceber que talvez um adulto que seja atribuída essa responsabilidade heroica, não fosse capaz sequer de corresponder ao quesito de bondade, diferente de Billy que tem essa potencialidade ao crescimento e a sua grandeza.

A busca de Billy em ser um herói passa a ser parte da sua busca por identidade. Ele se identifica como um herói? A resposta apesar de ser óbvia é um pouco complexa pelo fato desta responsabilidade do herói ser sempre atribuída a um adulto. O adolescente possui sua gama de responsabilidades mas nada se compara aos conflitos de uma fase mais experiente de sua vida. Ele consegue encarar este peso como um adulto por algumas razões; Os conselhos de Salomão que o tornam sábio o suficiente para que possa tomar as melhores decisões, ajudando o seu processo de amadurecimento como adolescente e a sua vida difícil que, apesar de ter lhe trazido tantos problemas de confiança em suas relações pessoais, com o passar do tempo vão melhorando ensinando-o a encarar as dificuldades e entender a diferença entre o bem e mal que todo herói enfrenta.

Todos esses aspectos tornam Shazam um herói diferenciado. Ele possui as características tradicionais da maioria dos super heróis com poderes especiais e a particularidade de, diferente de outros casos, ter a sua identidade de herói construída não apenas como um chamado para a grandeza ou ela imposta por uma tragédia que gerou uma desconfiança sobre um sistema inteiro, mas como uma parte do seu crescimento como um adolescente comum que consegue realizar o sonho de ser um herói.

Sobre Ricardo

Avatar

Fã de quadrinhos, séries, filmes e games. Apaixonado por DC de Grant Morrison a Alan Moore. Mais um privilegiado de estar na amada Terraverso.

Últimas notícias