O roteirista dos filmes “Batman vs Superman: A Origem da Justiça” e “Liga da Justiça” Chris Terrio, em entrevista a Vanity Fair, comentou sobre as produções cinematográficas em que esteve envolvido na DC Filmes.

Ele descreveu os filmes que a Warner Bros. lançou nos cinemas em 2016 e 2017 como falhas incoerentes, minadas por intromissões corporativas, planejamento pobre de franquia e decisões surdas que priorizavam sequências em computação digital caras em vez de narrativas coerentes.

“O corte de 2017 foi um ato de vandalismo. Zack [Snyder] pode ser muito cavalheiro para dizer isso, mas eu não sou.” disse Terrio.

Sobre ‘Batman vs Superman’ ele comentou sobre as diferenças entre a versão cinematográfica e a edição estendida, com 30 minutos a mais.

“Eu estava orgulhoso do roteiro quando o concluí, mas acontece que quando você remove os 30 minutos que dão aos personagens motivação para o clímax, o filme simplesmente não funciona”, disse Terrio. “Como aprendemos com as duas versões de Liga da Justiça, você não pode pular o personagem e pensar que o público vai priorizar o VFX. Esse material foi restaurado mais tarde na versão estendida.”

Referindo-se a versão estendida, ele continuou:

“Portanto, este castelo de cartas que foi construído para motivar este confronto entre os dois heróis favoritos da América não fazia sentido algum. Foi o que aconteceu com Batman/Superman . O filme sempre foi para ficar no escuro. Sempre haveria pessoas que simplesmente não queriam ver aquela versão do mundo dos quadrinhos, e eu entendo. Mas o que doeu foi a crítica de que o roteiro não era coerente, porque quando eu entreguei o roteiro ao estúdio – com o qual eles, segundo todos os relatos, ficaram felizes – fazia sentido. O público tem que saber que está em boas mãos”, acrescentou. “No minuto em que você os perde do ponto de vista da história, eles perdem o desejo de olhar para ela com generosidade.”

Durante a entrevista, Terrio comentou que se reuniu com o diretor e estrela de Argo, Ben Affleck, para ajudar a revisar o roteiro de ‘Batman vs Superman’ e dar mais profundidade.

“Ben [Affleck] me ligou e disse que estava trabalhando neste filme, que era um filme do Superman no qual ele interpretaria o Batman. Então ele perguntou se eu leria o roteiro e consideraria fazer uma reescrita. Ele perguntou se eu faria algum trabalho sobre o personagem. Então, já estava determinado e feito um storyboard de que o Batman tentaria matar o Superman e que o Batman teria pego um caminho sombrio. Ele estava marcando criminosos, e isso tinha certos elementos sombrios que eram inegociáveis ​​e já estavam na história.” disse Terrio.

Um fato interessante é que Terrio mesmo tendo escrito o roteiro de ‘Batman vs Superman: A Origem da Justiça’, o título do filme não foi dado por ele.

“Eu escrevi rascunhos do filme Batman/Superman, que não foi chamado de ‘Batman vs Superman: A Origem da Justiça’ por mim. Eu não dei o nome do roteiro. Na verdade, descobri como o filme se chamava junto com o resto do mundo na internet. Não fui consultado sobre o título do filme e fiquei tão surpreso quanto qualquer um. Não o teria chamado de ‘Batman vs Superman: A Origem da Justiça’. Não sei exatamente quem deu o nome, mas suspeito que foi o estúdio e suspeito que foi marketing, para ser honesto com você. Pode ter sido o primeiro passo para criar um ambiente de má vontade com o filme. Eu suspeito que colocar as palavras ‘Batman’ e ‘Superman’ no título teve algum componente de marketing .”

Sobre ‘Liga da Justiça’, Terrio comentou quanto o diretor Joss Whedon acabou mudando o filme que Zack Snyder vinha construindo.

“Eu só ouvia relatos ocasionais sobre a refilmagem. Eu não percebi o quanto do filme seria mudado – ou vandalizado, na minha opinião. Ficou claro enquanto eu falava com vários atores que era um desmantelamento total do que estava lá antes. Não ouvi de ninguém que disse que foi uma experiência agradável.”

Terrio expressou seu sentimento sobre a ‘Liga da Justiça Snyder Cut’ ter sido lançado recentemente.

“Estou muito feliz e aliviado que todos os milhares de artistas e artesões em todo o mundo finalmente possam ter seus trabalhos vistos pelo público, e todo o trabalho que Zack e os atores colocaram nisso agora podem ser vistos. É uma espécie de presente que recebemos da HBO Max, porque não seria possível alguns anos atrás.” disse Terrio.

Sobre a saída de Zack Snyder do filme ‘Liga da Justiça’ e a necessidade de regravações, Terrio comenta;

“Eu entrei em depressão quando o filme foi reescrito. Mas eu nem me sentia no direito de ficar deprimido, porque Zack e Debbie [Snyder], (esposa de Zack e co-produtora] estavam lidando com a tragédia de sua família . Comparado com isso, perder o filme que você escreveu não parece nada. Mas doeu. Dói pensar que me importei tanto com esses personagens e não trabalhei em mais nada por muito tempo.”.

Terrio também foi questionado sobre como era a relação entre ele e Geoff Johns e Jon Berg no set de ‘Liga da Justiça’.

“Olha, eu admiro Geoff como escritor de quadrinhos da DC. Ele tem sido legal comigo e é um relacionamento perfeitamente cordial. Como executivo, você entra em um território muito espinhoso quando tem uma pessoa que é um escritor que também está tomando decisões executivas e se sentando na cadeira onde em outros filmes o escritor estaria. Então eu acho que é um milagre que Zack filmou tanto [meu] roteiro quanto ele, porque eu sei que havia uma pressão constante para simplificar, mudar, fazer tudo o que o estúdio queria porque havia rumores que eles não fizeram.”.

Chris Terrio falou também sobre os desafios de escrever ‘Liga da Justiça’ e abordou se o então presidente da Warner Bros., Kevin Tsujihara, ordenou que o filme “tivesse menos de duas horas ou mais de comédia”.

“Sim, foi o que eu também ouvi”, Terrio compartilhou. “Eu nunca tive nada direto com ele. Tsujihara, pelo que eu sei, e os chefões do topo decidiam a ordem dos filmes. Eu não fui consultado sobre a ordem dos filmes, embora eu fosse a pessoa escrevendo ‘Liga da Justiça’. Eles apenas determinaram que seria o Batman/Superman, depois a Mulher-Maravilha, depois a Liga da Justiça e depois o Aquaman. Então, nunca pensaram em como o mundo foi construído antes de publicarem essa ordem. Eles disseram , ‘Cumpra com este cronograma. O roteiro de ‘Mulher-Maravilha’ nem estava terminado quando escrevi ‘Liga da Justiça’. Então, eu não tinha base para escrever ‘Mulher-Maravilha’ além de Batman [vs.] Superman . Themyscira nem existia. Nunca vi nenhuma página dele. Eu não sabia se as pessoas podiam falar debaixo d’água. Isso foi algo que eu tive que perguntar porque eu não sabia se poderia fazer cenas subaquáticas com o Aquaman e Atlantes. Foi tudo do zero porque não houve filmes de personagens [solo]. Então, Liga da Justiça precisava estabelecer três dos personagens; tive que criar uma longa mitologia de jogo para o Universo DC. Tive que ressuscitar o Superman porque ele estava morto no final do último filme. Só não sei como você poderia fazer tudo isso em menos de duas horas. Talvez o lançamento de 2017 tenha provado que você não pode.”

Leia a entrevista completa na Vanity Fair.

Sobre Willyan

Willyan Bertotto

Publicitário. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Últimas notícias