Todo o início de uma grande aventura começa com um simples passo de coragem em direção ao desconhecido. Quando se é anunciado uma adaptação de um quadrinho com bastante renome, é comum vermos o temor por parte dos fãs sobre como a obra será transportada para as telas, mas nesse caso, Sweet Tooth, a mais nova adaptação da Netflix, já começa mostrando uma qualidade de altíssimo nível, respeitando o material fonte e dando asas para um mundo lúdico, mas sem perder o peso das tragédias no meio do caminho. 

Baseada na HQ da DC/Vertigo, escrita e desenhada por Jeff Lemire em 2009, a produção já começa ambientando o telespectador em meio a um mundo pós-apocalíptico, causado por um vírus misterioso que foi o responsável pelo colapso da sociedade, ao mesmo tempo em que deu origem a uma nova espécie de híbridos, que não são vistos com bons olhos pelos sobreviventes. E, em meio a todo o caos e desordem, vemos um pai abdicando de tudo para dar ao seu filho, o pequeno Gus – o fofo menino-cervo e grande herói da nossa história – a chance de viver uma vida por completo. 

Esse contraste entre a desordem e tranquilidade dos dois mundos é feito através do uso das cores e da trilha sonora, que torna a reserva onde vive o nosso protagonista, interpretado por Christian Convery, um jardim encantado, recheado de cores vivas e uma trilha sonora calma e etérea, que contrastam com os momentos de tragédia que são mostrados logo em seguida, adotando uma atmosfera densa, fria e evidenciando a crueldade que ali existe. 

Tendo sido filmada na Nova Zelândia, os cenários e fotografia da série são um deleite aos olhos, podendo ser notado o cuidado da produção em cada detalhes, desde as roupas até os campos abertos que mostram o que restou de um mundo a muito tempo perdido. 

O pequeno Gus se mostra já nesse pequeno começo um verdadeiro aventureiro, com um olhar afiado para desbravar o desconhecido, abraçando o seu chamado a aventura com um toque de inocência e pureza, se aliando ao seu novo amigo Japperd – interpretado pelo ator Nonso Anozie – para ir em busca de sua mãe, no Colorado. 

É impressionante a qualidade de Sweet Tooth logo no seu primeiro episódio, a trama caminha junto do coração e cria uma ligação genuína com o público logo de cara ao atravessar do primeiro limiar de um jovem e curioso herói para o que pode ser a maior e mais emocionante aventura de sua vida. 

Sobre Marcos

Olá! Meu nome é Marcos, sou de Simões Filho/BA. Estou cursando direito na UNIME, mas tenho um grande amor pelo jornalismo. Atualmente sou colaborador do portal Tô Assistindo, onde escrevo críticas e posto notícias e tenho um podcast, o Sabor de Ambrosia, o meu pequeno bebê. Sou um grande fã da DC desde que me entendo por gente. Tudo começou com as animações do SBT e de lá pra cá não consigo viver sem. O meu herói favorito é, sem sombra de dúvidas, o Superman, o precursor do movimento, mas tenho um coração grande o bastante para todo esse extenso e lindo universo.

Últimas notícias