Doninhas, esses pequenos caçadores mamíferos da família Mustelidae, são caçadoras solitárias. Movem-se silenciosamente na noite e usam um odor característico para atrair as presas. Valorizada no mercado por sua pele que é usada para criação de casacos e até mesmo pincéis. Um belo animal de patinhas fofas com garrinhas afiadas e olhinhos redondos e brilhantes, que fica difícil acreditar que o nome está relacionado a um vilão tão bizarro que sua versão para os cinemas parece ter sido sumonada de uma mistura de Uncanny Valley e National Geographic.

Weasel é um personagem com pouco destaque nos quadrinhos. Ele teve sua primeira aparição em “The Fury of Firestorm #35”, por Gerry Conway e Rafael Kayanande, em 1985, como um vilão misterioso que perseguia e matava pessoas do campus universitário, quando então o Nuclear (Firestorm) conseguiu captura-lo, descobriu que se tratava de John Monroe, um estudante na Universidade de Stanford  da turma de 1963, que era assediado e chamado de doninha por seus colegas, o deixando amargurado a ponto de se tornar um assassino anos depois. O Professor Martin Stein, parte do Nuclear que foi perseguido pelo vilão, se quer lembrava de Monroe em sua turma.

A prisão foi seu passaporte para mais tarde fazer parte do Esquadrão Suicida,  em 1988, no título “The Doom Patrol and Suicide Squad”,  de John Ostrander, Paul Kupperberg, Erik Larsen, Bob Lewis, Steve Haynie e Carl Gafford. Sua participação no Esquadrão foi desastrosa; durante a missão de resgate do Rapina a mando do presidente Ronald Reagan, Weasel se descontrola e mata um membro da equipe, O Pensador, e em seguida Weasel é morto por Rick Flag que usa o capacete do Pensador, que por ter registrado o ataque, reage automaticamente.  

Na HQ “Batman #666” (julho de 2007), uma edição especial ambientada 15 anos no futuro, Damian Wayne se tornou o Batman após a morte de Dick Grayson. Em uma cena de luta, Weasel aparece em um novo formato, com características menos animalescas mas que ainda lembra um rato usado em testes de laboratório. 

Em “Forever Evil: ARGUS Vol 5”, de 2014, Wesel tem uma breve participação, em uma forma animalesca que não parece fantasia e sim características físicas do personagem.  Na edição, Steve Trevor e Nevasca estão fazendo o reconhecimento da área, quando Weasel pula dentre os arbustos para atacar Steve, que atira imediatamente, em seguida Weasel é congelado, e não fica claro se de fato o personagem está morto ou não. 

A morte não é o fim para Weasel, que já que ele foi reanimado algumas vezes. A primeira foi quando Koschei, o Imortal, reanimou muitas das vítimas do Esquadrão para se vingar, e em “A Noite Mais Densa”, ele foi reanimado por um membro da Tropa dos Lanternas Negras.

Entre os poderes de Weasel está agilidade e força, que somados a psicopatia e imprevisibilidade do personagem podem ser fatais. As garras afiadas são usadas para estraçalhar a carne de qualquer um que cruze seu caminho. O personagem com poucas histórias parece medíocre para ser usado nos cinemas, porém, a falta de profundidade e estranheza podem significar um diferencial enorme no filme “O Esquadrão Suicida”.

No trailer, não fica claro se trata-se de uma fantasia como em sua primeira aparição ou modificação do seu DNA. Weasel é interpretado por Sean Gunn, irmão do diretor James Gunn, que já tem experiência em personagens excêntricos e que dependem de CGI. Em “Guardiões da Galáxia”, o ator interpreta Kraglin dos Saqueadores e também é responsável pelas cenas do Rocket Raccoon, mesmo que a voz seja do ator Bradley Cooper. 

Com o filme devemos conhecer mais do Weasel e talvez mais uma morte, já que James Gunn deixou claro que não teve impedimentos para eliminar qualquer personagem do filme. 

“O Esquadrão Suicida” estreia nos cinemas no dia 5 de agosto.

Sobre Rebeca

Uma deusa, uma louca, uma feiticeira.

Últimas notícias