Coringa | Produção entrega um nova proposta e visão para filmes do gênero

Coringa literalmente é um punchline na boca do estômago. O filme é, sem sobre de dúvidas, a melhor produção baseada em quadrinhos da história, e também o melhor da DC. A jornada do herói virou a “jornada do vilão” nas telas de cinema. Você chora, sorri, sente medo e indignação ao mesmo tempo. A produção eleva o padrão de filmes do gênero para outro patamar. O filme direciona sua atenção para um proposta inovadora, que condiciona o seu olhar a compreender e entender como uma pessoa em extrema vulnerabilidade mental e social pode se transformar no maior vilão de todos os tempos.

O filme exige do espectador o máximo de entrega. A compreensão de cada uma das cenas torna-se necessária para analisar como um ser humano, com transtornos psicológicos claros, consegue chegar ao fundo do poço e emergir diante do caos que o cerca. A Gotham City do filme possui um papel fundamental em torno da ascensão do Palhaço do Crime. Além do personagem, a cidade acaba adoecendo de forma simultânea. O filme possui camadas que mesclam os desejos do protagonista, de descoberta de mundo, com sua própria crise existencial e sobre qual o seu real papel na sociedade. Fazer rir? Sempre sorrir? Arthur Fleck entende que essa sim é sua principal função no mundo, entretanto, a realidade acaba tornando-se um espaço cruel para uma pessoa totalmente atormentada.

Joaquin Phoenix merece, sem sombra de dúvidas, a estatueta do Oscar. Impecável atuação. Além disso, a fotografia e a trilha sonora são também marcantes na produção. É como se ambas fossem, ao lado de Joaquin, as protagonistas do filme. A narrativa tira o espectador da zona de conforto. Te faz mexer na cadeira do cinema diversas vezes. E essa insegurança é justamente o que faz o enredo do filme ser esse misto de medo, tristeza e angústia.

Coringa retrata também a ausência do estado em problemas e contextos que necessariamente exigem a sua presença de forma atuante. São problemas reais retratados em uma narrativa fictícia que devem ser discutidos e aprofundados . O discurso político do filme é muito forte e necessário, pois se assemelha e muito a nossa realidade. Problemas sociais como cortes de verbas públicas, crescimento da violência e luta de classes são retratados com maestria na produção.

Sobre as referências com quadrinhos, a estrutura narrativa do filme te propõe a todo o momento buscar um olhar mais atento para elas. Além de Gotham, a família Wayne possui um grande destaque na produção. Também não posso deixar de destacar a atuação de Robert de Niro, seguro e eficiente como já de costume.

Coringa é um filme que certamente se tornará um marco na história do cinema contemporâneo. Todd Phillips entrega a melhor produção da sua carreira e Joaquin Phoenix merece ser um postulante ao prêmio de melhor ator no Oscar.

O filme estreia no dia 3 de outubro em todos os cinemas.

Nota:

Willyan Bertotto

Publicitário formado pela Universidade Feevale, Novo Hamburgo/RS. Diretor de Arte, Designer e Batmaníaco. Fã incondicional da DC Comics e pesquisador assíduo desse universo e todas as suas possibilidades de transformação.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of